RN deve ter 8,5 mil contratações temporárias para o final de ano, prevê Fecomércio

O segundo semestre será animador para o mercado de trabalho potiguar. A Fecomércio RN prevê a criação de 8.500 empregos temporários para o final do ano, abastecendo o comércio que será movimentado com as vendas no Dia das Crianças, Black Friday e Natal. 

Entre os meses de setembro a dezembro, são previstas cerca de 10% a mais de contratações do que no ano passado, quando 7.764 pessoas foram empregadas no mesmo período, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), analisados pelo Instituto Fecomércio. 

“Esses números confirmam a nossa expectativa positiva para o segundo semestre. Outro dado animador para a economia potiguar é a recuperação de empregos formais. Até agosto deste ano, segundo dados do Caged, o saldo no mercado de trabalho com carteira assinada do Rio Grande do Norte é de 23,9 mil, enquanto que nos primeiros oito meses de 2020 o saldo era negativo de 11,6 mil vagas”, afirmou o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz. 

No Comércio, foram -3.208 empregos entre janeiro e agosto do ano passado contra +5.744 no mesmo período deste ano, um saldo de +2.536 postos de trabalho. No setor de Serviços, nos oito primeiros meses de 2020 e 2021, foram -6.313 e +11.285, respectivamente, um saldo de +4.972. 

Sobre as vendas, especificamente no varejo, foi registrado um crescimento de 9,5% em julho. “Nossa expectativa é que possamos fechar o ano com um crescimento das vendas de 5% a 7%”, disse Queiroz. 



Sine oferece 35 vagas de emprego disponíveis no RN

A Subsecretaria do Trabalho da Sethas-RN, através do SINE-RN, oferece 35 vagas de emprego nesta sexta-feira (17). As oportunidades são para Natal, Região Metropolitana, Santa Cruz, Mossoró, Pau dos Ferros e regiões.

Para concorrer às vagas, o (a) candidato (a) deve se cadastrar via Internet no Portal Emprega Brasil do Ministério do Trabalho e Emprego, através do endereço empregabrasil.mte.gov.br ou nos aplicativos Sine Fácil e Carteira de Trabalho Digital, disponível para Android e IOS.

As vagas para pessoas com deficiência são uma parceria da Subsecretaria do Trabalho da SETHAS com a Coordenadoria de Promoção e Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Semjidh.

Todas as oportunidades são consideradas uma alteração. Para saber em tempo real qual ocupação está de acordo com seu perfil profissional é necessário acessar o empregabrasil.mte.gov.br com o seu login (PIS) e senha ou através do celular no aplicativo SINE Fácil.

Quer tirar alguma dúvida ou agendar um atendimento? Ligue: (84) 3190-0783, 3190-0788. O atendimento é de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 12h. 

QUANTIDADE DE VAGAS
Natal e Região Metropolitana

ASSISTENTE DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE 01
ASSISTENTE DE VENDAS 01
AUXILIAR DE ARMAZENAMENTO 02
AUXILIAR TÉCNICO DE MECÂNICA 01
CONTROLADOR DE PRAGAS 01
CORTADOR 01
DESENHISTA INDUSTRIAL GRÁFICO (DESIGNER GRÁFICO) 02
INSTALADOR DE SOM E ACESSÓRIOS DE VEÍCULOS 01
MANICURE 03
MECÂNICO DE AUTO EM GERAL 01
MECÂNICO DE AUTOMÓVEL 04
MECÂNICO DE GERADOR 01
MONTADOR DE MÁQUINAS 01
PINTOR DE LETREIROS 01
VENDEDOR PRACISTA 02
 
PCD – Pessoa com Deficiência
AUXILIAR ADMINISTRATIVO 01
AUXILIAR DE
LIMPEZA 02 EMBALADOR, A MÃO 01

Vagas Temporárias
FLORISTA (COMÉRCIO VAREJISTA) 01

Mossoró e Região
COZINHEIRO GERAL 01
ENCARREGADO DE ALMOXARIFADO 01
PADEIRO 01
 
Pau dos Ferros e Região
PROMOTOR DE VENDAS 02

Santa Cruz
TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 01
VENDEDOR PRACISTA 01

Total geral = 35 vagas



Salário mínimo em 2022 deve ficar próximo de R$ 1.170

O governo deve estimar que o salário mínimo subirá para aproximadamente R$ 1.170 no próximo ano. O valor, porém, tende a ser revisado para cima até o fim do ano, pois a equipe econômica usou parâmetros de inflação defasados para prever a correção do piso salarial, que hoje é de R$ 1.100 por mês.

O cálculo do reajuste considera que a inflação (medida pelo INPC) será de 6,2% neste ano. No entanto, as projeções do mercado já apontam para uma inflação acima de 7%.

A nova estimativa para o salário mínimo deve estar na proposta de Orçamento de 2022, a ser enviada ao Congresso até o dia 31 de agosto.

O projeto orçamentário, portanto, estará distante de um cenário realista. O texto trará parâmetros macroeconômicos defasados e não incluirá medidas tratadas como prioritárias pelo governo, mas que ainda estão em negociação, como a ampliação do Bolsa Família.

O governo enviará a proposta ao Legislativo para respeitar o prazo previsto em lei, mas já conta que mudanças terão que ser feitas no texto durante a tramitação, até o fim do ano.

Para a elaboração das contas de 2022, a equipe econômica optou por manter a grade de parâmetros econômicos divulgada em julho. No entanto, diante das oscilações do mercado nas últimas semanas, as previsões para os indicadores tiveram mudanças significativas.



Auxílio emergencial poderá ser permanente

Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal.

De acordo com a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, na última quinta-feira (1º), o auxílio emergencial pode se tornar permanente. A possibilidade surge caso o programa seja substituído pelo seguro-desemprego.

Considerando as discussões para concessão de mais uma rodada do auxílio emergencial em 2021. O Governo Federal decidiu disponibilizar o benefício para um grupo menor de pessoas, com uma redução no valor a ser distribuído e com menos parcelas.

Neste sentido, ficou acertado que o programa teria vigência de quatro meses, a início no mês de abril e encerramento em julho, atendendo os segurados conforme a composição familiar com valores de R$ 150, R$ 250 e R$ 375.

Vale ressaltar que em 2020, o programa pagou inicialmente cinco parcelas no valor de R$ 600. Após esse período, o auxílio foi prorrogado por mais quatro meses distribuindo parcelas de R$ 300. As mães chefes de famílias monoparentais recebiam cotas duplas em cada ciclo, sendo assim, no primeiro ganharam R$ 1.200 e no segundo R$ 600.

No entanto, devido ao atual cenário de permanecia da pandemia da Covid-19, o Governo decidiu estender o programa por mais dois ou três meses. Esse período deve considerar o avanço da vacinação no país. Segundo o Ministério da Saúde, a expectativa é que até o mês de outubro toda população adulta brasileira esteja imunizada ao menos com a primeira dose da vacina. Sendo assim, é mais certo que o auxílio emergencial tenha mais três parcelas.

Ademais, existem vários debates com relação ao valor que deve ser liberado na prorrogação. Até o momento, o que se concretiza é que a extensão será concedida nos mesmos moldes atuais, ou seja, permanecerão os valores atuais aos seus respectivos grupos.

O benefício do auxílio emergencial é depositado na conta poupança social digital do Caixa Tem. Na plataforma, o segurado pode realizar uma série de transações financeiras disponibilizadas gratuitamente. Entre elas estão: pagamento de contas e boletos, recarga no celular, transferências via TED, DOC e PIX, compras on-line com catão de débito digital. Entre outras.

Com relação ao aplicativo, a Caixa Econômica busca implementar mais recursos para os seus usuários. Entre as novidades já anunciadas, estão a concessão de microcrédito e a liberação de um cartão de crédito.



Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina neste sábado

Os beneficiários que não receberam a terceira parcela do auxílio emergencial têm até este sábado (3) para apresentar contestação e pedir a revisão no sistema de pagamentos para tentar retornar ao programa.

O resultado da análise de junho foi divulgado no último dia 24, quando 106.011 trabalhadores foram considerados elegíveis, após novo processamento de dados.

Na ocasião, o Ministério da Cidadania abriu nove dias de prazo, que termina hoje, para quem não teve a solicitação aprovada entrar com recurso.

De acordo com a pasta, outros dois mil requerimentos estão passando por verificação mais detalhada da Dataprev e, depois, terão o resultado divulgado em novo lote. Se o cancelamento do auxílio emergencial puder ser contestado, o registro do cidadão será reanalisado e será possível voltar a receber o benefício, caso seja reconhecido o erro.

Para verificar a possibilidade de retomar o pagamento do benefício, o cidadão deverá entrar no site do Ministério da Cidadania, verificar se há parcela aparece com a situação “cancelada” e clicar no botão “contestar”.

O acesso ao sistema é autorizado após o beneficiário acessar a consulta a partir do preenchimento de do CPF, nome completo e nome da mãe no sistema do governo federal. De acordo com o governo federal, o objetivo da contestação é permitir que essas pessoas tenham uma nova análise com bases mais atualizadas de seus bancos de dados.



Caixa Econômica paga auxílio emergencial a nascidos em setembro

Trabalhadores informais nascidos em setembro receberam neste fim de semana a terceira parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da terceira parcela. O calendário de depósitos, que começaria no último dia 20 e terminaria em 21 de julho, foi antecipado para o período de 18 a 30 de junho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos (veja guia de perguntas e respostas no último parágrafo) para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 17 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.



Confiança da construção cresce 5,2 pontos em junho, diz FGV

O Índice de Confiança da Construção, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 5,2 pontos de maio para junho deste ano e chegou a 92,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Essa foi a segunda alta consecutiva do indicador. É o maior patamar desde janeiro deste ano (92,5 pontos). Resultado acima de 100 pontos indica confiança.

O Índice de Situação Atual, que mede a percepção dos empresários da construção sobre o presente, subiu 4 pontos e chegou a 89,5 pontos, maior nível desde fevereiro deste ano (90 pontos). O Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cresceu 6,4 pontos e atingiu para 95,4 pontos, maior nível desde de dezembro de 2020 (95,5 pontos). O Nível de Utilização da Capacidade da Construção subiu 3 pontos percentuais, para 77,4%.



Governo federal deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje (23), durante encontro com empresários da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que o presidente da República Jair Bolsonaro deve anunciar, em breve, a prorrogação do auxílio emergencial por mais três meses. “O presidente deve anunciar, talvez ainda nesta semana, mais três meses de auxílio [emergencial]”, disse Guedes.

O ministro também ressaltou o trabalho do governo, em parceria com os empresários, para enfrentar a crise ocasionada pela pandemia de covid-19. Ele disse que neste momento em que a população está sendo vacinada, a recuperação econômica em V já aconteceu, com a criação de 1 milhão de empregos nos últimos quatro meses do ano passado, totalizando 140 mil empregos formais em 2020.

“É a primeira vez que houve uma recessão com a criação de empregos formais. Neste ano já criamos 960 mil empregos. O Brasil está transformando, com sucesso, o que era uma recuperação cíclica, baseada em consumo, em retomada do crescimento sustentável, com base em investimentos que estão aumentando”, disse o ministro.



Governo do RN paga primeira parcela salarial de junho nesta terça-feira

O Governo do Rio Grande do Norte mantém a obediência ao calendário de pagamentos estipulado no início deste ano junto às representações de classe dos trabalhadores e adianta a primeira parcela do salário de junho nesta terça-feira (15). 

De acordo com o Estado, mais de R$ 244 milhões serão depositados na conta dos servidores na metade do mês como mais uma ação de incentivo à retomada da economia potiguar em função do período de crise provocada pela pandemia. 

Recebem o salário integral nesta terça-feira os mais de 37 mil servidores ativos, inativos e pensionistas que recebem até R$ 4 mil (valor bruto), além de toda a categoria da Segurança Pública, totalizando mais da metade do quadro funcional do Estado. Também serão adiantados 30% para quem quem recebe acima de R$ 4 mil. 

No próximo dia 30, o Governo conclui a folha de junho, ainda dentro do mês trabalhado, e paga o salário integral dos mais de 22 mil trabalhadores lotados em pastas com recursos próprios, além dos 70% restantes de quem recebe acima de R$ 4 mil para concluir a folha de R$ 495 milhões.



Caixa Econômica libera R$ 224 milhões para empresas do setor de Turismo em 2021

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Caixa Econômica Federal liberou os primeiros R$ 224,3 milhões no ano de 2021 para operações de crédito via Fundo Geral do Turismo (Fungetur) para micro, pequenas e médias empresas do setor de Turismo. O banco é uma das instituições financeiras credenciadas pelo Ministério do Turismo a operar recursos do fundo. Ao todo, o Ministério do Turismo repassou R$ 1,2 bilhão para a instituição financeira e os recursos seguem disponíveis para alcançar mais empreendedores.

Com recursos da linha de financiamento do Ministério do Turismo, a Caixa Econômica Federal formalizou 504 contratos até o mês de maio, beneficiando empresas dos mais de 50 segmentos que compõem a cadeia produtiva do Turismo, como pousadas e lanchonetes, sendo a maior parte destinada aos empreendimentos de menor porte. Os estados de São Paulo (125), Minas Gerais (79) e Rio de Janeiro (68) registraram as maiores quantidades de contratos assinados. O acesso aos recursos do Fungetur via Caixa também foi oportunizado a empreendedores das regiões Norte e Nordeste, que contabilizaram 55 contratos assinados somando mais de R$ 26 milhões.

“O resultado é fruto de um esforço permanente para garantir que o dinheiro chegue de forma ágil e facilitada a quem mais precisa. Esses recursos permitiram desde a capitalização de empresas com suporte ao funcionamento até obras de infraestrutura turística para possibilitar a retomada das atividades turísticas no país. O Fungetur foi e continua sendo fundamental para garantir o funcionamento das empresas e a manutenção dos empregos no setor de turismo no nosso país”, destacou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

No final de março deste ano, a Caixa Econômica Federal eliminou a exigência de faturamento mínimo de R$ 4,8 milhões para quem desejava recorrer a linha de crédito, o que impulsionou o escoamento de recursos, alcançando empreendimentos turísticos de todos os portes.

Segundo a instituição financeira, outras 219 operações, no valor de R$ 154,64 milhões, estavam em análise na instituição ao final de maio, o que totalizaria mais de R$ 378,9 milhões já contratados ou em processo de análise.

O diretor do Departamento de Atração de Investimentos, João Daniel Ruettimann, destaca que a medida, aliada a capilaridade da instituição, facilitará o escoamento de recursos. “A Caixa Econômica está presente em todo o país. A atuação da instituição para distribuição do dinheiro do Fungetur, com a conquista da eliminação do faturamento mínimo, é uma ação extremamente importante, já que o acesso ao crédito para quem está lá na ponta será facilitado”, pontua.

FUNGETUR
O Fundo Geral do Turismo é uma linha de financiamento operada com recursos do Ministério do Turismo e que, diante do cenário de crise provocado pela pandemia dA Covid-19, conta com taxas (de até 5% ao ano, acrescida da Selic) e prazos (de até 240 meses) diferenciados para auxiliar empreendimentos turísticos de todo o país.

Desde o ano passado, os recursos do Fungetur permitiram o acesso a crédito por 3.119 empresas localizadas em 657 municípios de 21 unidades da federação, alcançando 3.183 operações (contratos assinados). O número de operações contratadas é 6.973% maior em relação a 2018 (45) e 1.353% superior na comparação com 2019 (219).

Estes recursos podem ser usados tanto para capital de giro – dinheiro necessário para bancar o funcionamento de uma empresa – quanto para aquisição de bens, como máquinas e equipamentos. Podem ser usados, ainda, para a realização de obras de construção, modernização e ampliação para a retomada das atividades, além de reformas em geral em empreendimentos paralisados pela pandemia.

Para acessar estes recursos, os empreendedores que atuam no setor de turismo precisam ter registro no Cadastur (cadastro nacional de pessoas físicas e jurídicas do setor) e procurar uma das instituições financeiras credenciadas a operar o Fungetur. As instituições financeiras, por sua vez, farão a análise dos pedidos e aprovação da liberação dos recursos. Para saber mais acesse AQUI.

SUSPENSÃO
Na última semana, o Ministério do Turismo autorizou a suspensão do pagamento das parcelas de financiamento de recursos acessados pelo Fungetur. Com isso, as instituições financeiras podem suspender em até oito meses o pagamento das prestações. Além disso, a Pasta também ampliou pelo mesmo período as carências para início da quitação da amortização dos valores contratados. A medida concede um fôlego aos empreendedores que atuam no turismo, um dos setores mais impactados pela pandemia de Covid-19.

Para obter esses benefícios, o empreendedor deve procurar a instituição financeira por meio da qual acessou os recursos do Fundo Geral do Turismo e solicitar a renegociação até o dia 31 de dezembro deste ano. O Ministério do Turismo tem acionado as instituições financeiras para ajustar os contratos, possibilitando que as negociações aconteçam.