Edital do Mais Médicos tem vagas para 27 municípios do RN; confira distribuição

Foto: Adriano Abreu

O Ministério da Saúde divulgou edital do programa Mais Médicos nesta segunda-feira (22). Das 70 vagas destinadas ao Rio Grande do Norte, 31 delas são para Natal. Além da capital, outros 26 municípios potiguares serão contemplados com profissionais do programa.

Depois de Natal, Macaíba e Nova Cruz são as cidades com o maior número de vagas no estado, com 5 cada. Mossoró tem três e Acari, Assu e Ipanguaçu têm duas vagas previstas para médicos aprovados no programa.

As inscrições para o Mais Médicos estarão abertas a partir da próxima sexta-feira (26), com prioridade para profissionais brasileiros formados no país. O Ministério da Saúde divulgou edital com 5.970 vagas distribuídas em 1.994 municípios em todas as regiões do Brasil. 

O programa, que visa garantir atendimento médico principalmente nas regiões de vazios assistenciais, traz aos profissionais oportunidade de qualificação e aperfeiçoamento, além de incentivos e benefícios para atuação em áreas mais vulneráveis. Confira edital aqui.

Além dos médicos brasileiros registrados no Brasil que terão prioridade na seleção, também poderão participar brasileiros formados no exterior ou estrangeiros, que continuarão atuando com Registro do Ministério da Saúde (RMS) em vagas não ocupadas por médicos com registro no país. As inscrições seguem abertas até 31 de maio e a previsão é que os profissionais comecem a atuar nos municípios no fim de junho.

Confira as vagas por cidade no RN:

Acari: 2

Assu: 2

Alexandria: 1

Apodi: 1

Canguaretama: 1

Caraúbas: 1

Doutor Severiano: 1

Extremoz: 1

Ipanguaçu: 2 

Januário Cicco: 1

Jardim de Piranhas: 1

Lagoa de Velhos: 1

Lajes: 1

Macaíba: 5

Monte Alegre: 1

Mossoró: 3

Natal: 31

Nova Cruz: 5

Pureza: 1

Rafael Fernandes: 1

Riacho de Santana: 1

Santana do Matos: 1

São Francisco do Oeste: 1

São Miguel: 1

São Miguel do Gostoso: 1

Serra do Mel: 1

Touros: 1

Tribuna do Norte



Movimento Vacina + Potiguar pretende retomar cultura de vacinação no RN

Para retomar a cultura de vacinação em todo o território potiguar e elevar os níveis de cobertura vacinal de todos os grupos contemplados no calendário básico, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) iniciou nesta segunda-feira (22) o Movimento Vacina + Potiguar.

O movimento vai unir diversas esferas da sociedade do Rio Grande do Norte em ações perenes de vacinação, seguindo o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde esteve presente na solenidade de lançamento do projeto, realizada na Escola de Governo, para apoiar a iniciativa do Governo do Estado e da Sesap.

À exemplo do que ocorre em todo o Brasil, desde 2017 o Rio Grande do Norte vem registrando queda nas coberturas vacinais em todas as faixas etárias.

Isso eleva o risco de reintrodução de doenças já eliminadas ou controladas no país, como vem ocorrendo com o sarampo, reintroduzido no Brasil em 2018, assim como a coqueluche, difteria e tétano que vem aumentando o número de casos nos últimos anos. Por isso, a Sesap estruturou essa campanha de retomada da cultura de vacinação.

Além das parcerias, estão entre as estratégias do Movimento Vacina + Potiguar a capacitação de profissionais das salas de vacinas e agentes comunitários de saúde, além de realização de evento científico para incentivar a construção de projetos que promovam a integração do cotidiano dos profissionais com o conhecimento técnico.



Alerta: Hospital Telecila Freitas Fontes divulga nota de esclarecimento sobre atos de violência praticados por uma usuária contra servidores

ASSESSORIA DE MÍDIAS E COMUNICAÇÃO

O Hospital Estadual Telecila Freitas Fontes esclarece que esta unidade integra a rede estadual de saúde, compondo a Rede de Urgência e Emergência (RUE), contando diuturnamente com dois profissionais médicos escalados no Pronto Socorro para atendimento das demandas que chegam à porta de entrada por via espontânea e/ou regulada.

Tais médicos são orientados a permanecer durante todo o turno do plantão à disposição para o atendimento à população, sendo-lhes garantido tempo e condições para trabalho e descanso, dentre as quais, a possibilidade de revezamento temporário.

É importante ressaltar que nos últimos meses houve aumento significativo na demanda  de atendimentos no pronto socorro, causado pela própria sazonalidade e elevação nos agravos relacionados às arboviroses, doenças respiratórias e enteroinfecções. Tal fato acarreta um aumento no tempo de espera para o completo atendimento dos usuários que são assistidos no âmbito deste serviço.

Nesse sentido, faz-se necessário esclarecer que no dia 15 de maio do corrente ano transcorreu, nesta unidade, uma situação anômala, que culminou em atos de violência praticados por uma usuária contra servidores que encontravam-se no exercício de suas atividades, bem como, em depredação do patrimônio público.

Este nosocômio repudia veementemente toda e qualquer forma ou expressão de violência contra os profissionais que compõe nossas equipes assistenciais e/ou atos que atentem contra o patrimônio público.

Esclarecemos que todas as medidas legais foram tomadas visando o registro e manutenção da segurança pública, que os fatos estão sendo devidamente averiguados e que os registros produzidos serão encaminhados à instâncias competentes para subsidiar as ações públicas.

Por fim, informo que os servidores sofreram lesões leves, tendo sido assistidos no âmbito deste hospital.

ASSESSORIA DE MÍDIAS E COMUNICAÇÃO



Governo do RN faz parcerias com Ministério da Saúde

Foto: Divulgação

O Governo do Estado segue avançando em ações de melhoria da saúde pública do Rio Grande do Norte. Nesta terça-feira (16), a gestão acertou com o Ministério da Saúde uma série de ações para melhoria do SUS em solo potiguar, como o financiamento das policlínicas, expansão do Serviço de Atendimento Médico de Urgência e um projeto-piloto na área de atenção especializada.

Os investimentos foram discutidos pela governadora Fátima Bezerra e a secretária de Estado da Saúde Pública Lyane Ramalho com a ministra da Saúde Nísia Trindade, em Brasília. Também acompanharam a audiência os deputados federais Natália Bonavides e Fernando Mineiro.

Na ocasião, a ministra Nísia Trindade confirmou que o RN será a primeira unidade da federação a receber o projeto de construção da Política de Atenção Especializada, fato inédito no Brasil, através da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (SAES). “Isso é cuidar da saúde na base. Solicitamos ao ministério apoio na construção da Política Estadual de Atenção Especializada Ambulatorial. Vamos receber consultores da área e realizar oficinas, seminários. Isso muda a realidade para a população do nosso estado”, disse a governadora Fátima Bezerra.

Além disso, o estado também receberá sete novas ambulâncias. Os veículos vão incrementar as bases descentralizadas do SAMU em São Paulo do Potengi e Patu, reforçando o plano de expansão conduzido pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). “Já temos o plano de expansão do SAMU pronto, mas faltavam os veículos para tal. Solicitamos ainda mais três unidades para implantar novas bases”, explicou a secretária Lyane Ramalho.

Durante a audiência, o Ministério confirmou também apoio financeiro para custeio e manutenção da Policlínica Regional do Seridó, em Caicó. “O Consórcio de Saúde do Seridó já foi implantado e irá gerir a Policlínica de Caicó. É o primeiro do estado. O equipamento já está pronto e equipado, estando apenas na fase burocrática para o funcionamento pleno da assistência na região”, complementou a secretária de saúde.

Durante a reunião, ainda foram apresentados projetos que estão sendo construídos pela Sesap, em especial na área de imunização. Estiveram presentes também Swedenberger Barbosa, secretário executivo do Ministério da Saúde; Aristides Oliveira, secretário-adjunto da SAES; Talita Araújo, chefe de gabinete da Sesap; e Inês Fernandes, assessora especial do Governo do Estado.



Vacinação contra a gripe é liberada para toda a população a partir de 6 meses de idade no RN

Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

A vacina contra a gripe está disponível para todas as pessoas com mais de 6 meses de idade no Rio Grande do Norte. A ampliação da vacinação vale a partir desta segunda-feira (15). Até então, apenas os grupos prioritários estavam recebendo a vacina no Sistema Único de Saúde (SUS).

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) orienta a população a procurar a unidade de saúde mais próxima para atualizar sua proteção contra a gripe.

A ampliação da vacinação, viabilizada pela existência de estoque suficiente de doses, busca combater o aumento de internações decorrentes de infecções respiratórias, bem como diminuir atendimentos ambulatoriais.

A Sesap pontuou que, embora pessoas de todas as idades sejam suscetíveis ao vírus Influenza, alguns grupos são mais vulneráveis a desenvolver complicações em decorrência da doença, como gestantes, puérperas, acima de 60 anos, crianças abaixo de 5 anos e pessoas com comorbidades.

Dia D de vacinação

20 de maio será o Dia D de multivacinação, com a oferta das vacinas influenza, bivalente (contra a Covid-19) e febre amarela. A data é uma estratégia de reforçar as ações das campanhas, intensificando o incentivo à busca da proteção pela população.

g1 RN



Câmara aprova criação do dia em memória de vítimas de covid-19

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (10) projeto de lei que cria o Dia Nacional em Memória das Vítimas da Covid-19. A data será celebrada em 12 de março de cada ano. A proposta segue para análise do Senado. 

Segundo o autor do projeto, deputado Pedro Uczai (PT-SC), a data escolhida é uma homenagem à primeira vítima fatal do novo coronavírus no Brasil, Rosana Aparecida Urbano, falecida em 12 de março de 2020, no Hospital Municipal Dr. Carmino Cariccio, na zona Leste de São Paulo. 

O parlamentar lembrou que a vítima foi internada na véspera e na sequência de sua morte, em menos de 50 dias, faleceram também sua mãe, seu pai, uma irmã e um irmão. 

“A pandemia se transformou em uma inominável tragédia atravessada pela morte, pelo desamparo e pelo luto, um fenômeno social que impactou de forma direta e indelével a vida de milhões de brasileiros e brasileiras”, afirmou o autor, que lembrou haver ainda um projeto de lei do Senado propondo a construção de um memorial às vítimas. 

Covid-19 

Após mais de três anos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou na última sexta-feira (5) que a covid-19 não configura mais emergência em saúde pública de importância internacional. De acordo com a entidade, o vírus se classifica agora como “problema de saúde estabelecido e contínuo”. 

Dados da entidade indicam que 765,2 milhões de casos de covid-19 foram confirmados no planeta até o momento, além de quase 7 milhões de mortes registradas. Apenas no Brasil, mais de 700 mil pessoas perderam a vida para a doença. Ainda de acordo com a OMS, 13,3 bilhões de doses de vacinas contra a doença foram administradas em todo o mundo.



Lyane Ramalho anuncia investimentos e novo concurso para a Saúde do RN

Foto: Carmem Felix/Assecom

A médica Lyane Ramalho foi empossada como a nova secretária de Saúde Pública do Rio Grande do Norte na última quinta-feira (4). Após atuar nos bastidores da pasta pelos últimos quatro anos,  seja como secretária-adjunta ou subsecretária de gestão, ela terá o desafio de atuar numa das áreas mais sensíveis do governo estadual.

Lyane Ramalho confirmou que trabalha para construir um novo hospital especializado em trauma, que vai desafogar os atendimentos no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel. Ela substitui Cipriano Maia, titular da Saúde pelos últimos quatro anos.

Em entrevista ao NOVO, ela falou sobre os principais desafios para este ano. De acordo com a nova secretária, a primeira meta é a de reforçar o investimento na infraestrutura da rede de saúde pública do Estado. A previsão é de que R$ 50 milhões sejam utilizados até dezembro de 2023, que serão utilizados em reformas, melhorias e ampliação de unidades.
Outro ponto destacado pela nova secretária é o de ampliar o número de profissionais da rede estadual de saúde. Para isso, um novo concurso público será feito até o fim deste ano de 2023. Porém, antes disso, a Sesap deve ainda convocar aprovados no último certame, realizado em 2018.

Entrevista

NOVO – Como foi o processo de transição na Sesap e como está a saúde do Rio Grande do Norte hoje?
Lyane Ramalho – Nós estamos trabalhando na continuidade da qualificação do Sistema Único de Saúde (SUS). Na gestão de Cipriano Maia, nós conseguimos um verdadeiro milagre, porque sempre trabalhamos muito em equipe. A grande vantagem de eu assumir, é que eu estava participando de tudo que estava acontecendo. Nós conseguimos avançar muito na assistência hospitalar, muito em prol da pandemia, nós conseguimos levar qualificação para todas as regiões de saúde do Estado, trabalhamos sempre nesse avanço da regionalização, porque quanto mais próximo do território e das pessoas, melhor. Quem está lá em Pau dos Ferros, por exemplo, pode contar com o Hospital Dr. Cleodon Carlos de Andrade. Nunca houve um ‘Cleodon’ como a gente tem hoje, com tomógrafo e com as cirurgias mais necessárias para o cidadão. A gente tem uma linha de infarto agudo do miocárdio em todo o Estado. Então conseguimos dar resposta aos pacientes que têm sintomas de infarto no Rio Grande do Norte inteiro. Isso é inédito, inclusive no Brasil. Esse é um projeto que está sendo premiado em todo o Brasil. Nós avançamos em linhas de cuidados que são prioritárias no país. São linhas de cuidado de doenças crônicas como o infarto e a diabetes mellitus. A fila reprimida que nós tínhamos, do pé com risco de amputação, hoje a gente não tem, porque conseguimos dar conta desse grande problema.

NOVO – Quais são as prioridades da Saúde do Rio Grande do Norte neste momento?
LR – Dar continuidade, porque esses são problemas crônicos. A gente não pode parar de cuidar desses problemas, que foram todos qualificados na gestão anterior. Nós tomamos conta de 20 hospitais no estado no Rio Grande do Norte. São hospitais que precisam de muita qualificação ainda, e eles vão passar por grandes reformas. Nós temos para esse ano, R$ 50 milhões em obras. Isso é um grande desafio. E para além da assistência, a nossa grande prioridade neste ano é qualificar a atenção primária de saúde, com a vigilância, a imunização, dar conta de resgatar o Programa Nacional de Imunizaçã, fazer as pessoas se apaixonarem de novo pelas vacinas, combater o movimento antivax, porque quando se faz a prevenção, não se adoece.Temos que trabalhar essa lógica de que a atenção primária está cada vez mais perto do cidadão.

NOVO – A senhora falou na rede de hospitais, e a governadora anunciou um segundo hospital geral no Estado para desafogar a demanda do Walfredo. Como está esse projeto?
LR – Ele está lindo. Construiremos um novo hospital de trauma. Estamos no momento da construção do projeto. Ele vai ser um hospital que, com certeza, vai dar mais resposta, porque o Walfredo hoje está muito pequeno do ponto de vista de tamanho, para a população que ele atende. Então a lógica é exatamente essa: levar um hospital maior em tamanho para dar a mesma resposta que o Walfredo tem, só que com equipamentos melhores. Nós teremos hemodinâmica nesse hospital, teremos mais salas de cirurgia, e em um ambiente com melhores condições, inclusive para os trabalhadores. Neste exato momento, nós estamos mapeando o terreno. Assim que definirmos isso, será informado à população.

NOVO – Os leitos de UTI abertos durante a pandemia seguem disponíveis?
LR – Com certeza ficou um legado de leitos de UTI muito grande. A covid de hoje, a gente já sabe como tratar. Cada hospital consegue dar conta de sua demanda de covid, e os leitos foram revertidos na necessidade que a gente precisa.

NOVO – O Rio Grande do Norte terá concurso?
LR – Sim! Teremos um novo concurso até o final do ano, ou início de 2024. E chamaremos aquelas pessoas de 2018, só estamos esperando a autorização do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

NOVO – A regionalização da saúde com o projeto das policlínicas. Como está?
LR – A primeira unidade a ser colocada em funcionamento será a Policlínica Regional do Seridó, construída em Caicó, onde o primeiro consórcio interfederativo de saúde do RN foi instalado. Ela está em fase de finalização e nos próximos meses deve ser inaugurada. Mas também temos a de Canguaretama, que está preparada para iniciar a reforma, além dos projetos de construção de outras Policlínicas em Assu, Currais Novos e Pau dos Ferros.

Novo Notícias



Covid-19 não acabou e vacinação segue fundamental, alerta ministra

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, fará um pronunciamento, em cadeia nacional de rádio e televisão, na noite deste domingo (7). A mensagem, que deve ir ao ar por volta das 20h, vai destacar a declaração da Organização Mundial de Saúde (OMS), que decretou o fim da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional em relação à covid-19. Segundo a assessoria da ministra, a ideia é que ela ressalte que a covid-19 ainda não acabou e que a vacinação continua fundamental.

Após mais de três anos, a OMS declarou na última sexta-feira (5) que a covid-19 não configura mais emergência em saúde pública de importância internacional. De acordo com a entidade, o vírus se classifica agora como um “problema de saúde estabelecido e contínuo”.

“É uma grande vitória para a sociedade, possível graças à ciência e à vacinação, orientadas para o acesso à saúde. Ao mesmo tempo, o anúncio não significa o fim da circulação do vírus, mas uma mudança de abordagem. Ainda temos que ter cuidados, inclusive nos vacinando contra a covid-19, o que em muitos países passou a compor o calendário anual, a exemplo da vacinação contra a influenza”, escreveu a ministra, nas redes sociais.

Em todo o mundo, a pandemia levou à morte mais de 7 milhões de pessoas, número que pode estar subestimado. Somente no Brasil, o número de vidas perdidas ultrapassou as 700 mil pessoas.

Agência Brasil



Mulher que teve 95% do corpo queimado no interior do RN morre no hospital

Foto: Divulgação/ Sesap

A mulher que teve 95% do corpo queimado em Campo Grande, na região Oeste Potiguar, não resistiu e morreu na tarde desta sexta-feira (5), uma semana após dar entrada no Hospital Tarcísio Maia, em Mossoró, em estado grave. O suspeito de ter ateado fogo na vítima é o marido dela, que se apresentou na quarta-feira (3) à Polícia Civil e foi preso.

A vítima era Maria da Conceição da Silva, 49 anos. Ela teve o corpo incendiado na última sexta-feira (28), dentro da residência do casal. No dia seguinte, a Justiça decretou a prisão preventiva do marido da vítima, que só se apresentou à delegacia quatro dias depois.

Na ida à delegacia, o homem permaneceu em silêncio e, após o cumprimento da prisão preventiva, ele foi encaminhado ao sistema prisional.

“Ele não prestou esclarecimentos e resolveu permanecer em silêncio e só apresentar declarações em juízo”, disse o delegado do caso, Gabriel Napoli, da Delegacia de Campo Grande.

A Polícia Civil solicita que a população envie informações que possam ser usadas no caso, por meio do Disque Denúncia 181, de forma anônima.

Tribuna do Norte



Perigo: pesquisadores apontam alto risco de volta da poliomielite no Brasil

Foto: Divulgação

A sétima edição do International Symposium on Immunobiologicals (ISI), aberta nesta terça-feira (2), alerta para o risco alto da volta da poliomielite ao Brasil. A doença, erradicada no país desde 1989, pode matar ou provocar sequelas motoras graves.

Em um dos debates do dia, pesquisadores apontaram a baixa cobertura como principal motivo de preocupação com a paralisia infantil, como a doença também é conhecida.

O evento é promovido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Bio-Manguinhos/Fiocruz, no Rio de Janeiro.

A presidente da Câmara Técnica de Poliomielite do Ministério da Saúde, Luiza Helena Falleiros, destacou o conjunto de fatores que levaram a esse cenário e disse que existe um risco evidente. “Com o processo de imigração constante, com baixas coberturas vacinais, a continuidade do uso da vacina oral, saneamento inadequado, grupos antivacinas e falta de vigilância ambiental, vamos ter o retorno da pólio. O que é uma tragédia anunciada”, afirmou.

Luiza Helena lembrou que sempre se diz que as vacinas são vítimas do seu próprio sucesso. “Hoje ninguém mais viu um caso de pólio. Não se tem essa noção de risco enorme, mas ele existe. E não tem milagre, nem segredo. Tem que vacinar.”

A pesquisadora citou um estudo do Comitê Regional de Certificação de Erradicação da Polio 2022, da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que aponta o Brasil como segundo país das Américas com maior risco de volta da poliomielite, atrás apenas do Haiti.

Um caso recente da doença foi confirmado em Loreto, no Peru, o que aumentou a vigilância nas fronteiras. Há 30 anos, o continente estava livre de registros da doença.

Cobertura vacinal

Segundo o Ministério da Saúde, no ano passado, a cobertura vacinal para a doença no Brasil ficou em 77,16%, muito abaixo da taxa de 95% recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para impedir a circulação do vírus.

No simpósio de hoje, foram discutidos os motivos da chamada hesitação vacinal. José Cassio de Morais, assessor temporário da Organização Pan-Americana da Saúde, disse que a cobertura depende principalmente da confiança nas vacinas distribuídas pelo governo, de como administrar o medo da reação vacinal, da dificuldade de acesso aos postos, do nível de renda familiar e da escolaridade da população. Para melhorar o quadro atual, Morais defendeu mais investimento mais em campanhas e na informação de qualidade.

“É importante lembrar que a vacinação, além de uma proteção individual, é uma proteção coletiva. Vimos isso na questão da covid-19, em que muitas pessoas não quiseram se vacinar. E precisamos atentar para a questão da comunicação social. Temos uma avalanche de fake news a respeito das vacinas e que trazem muito dano para a população. Mas não temos quase notícias positivas a respeito da vacina. Tem tido muito pouca divulgação da campanha de vacinação contra influenza, por exemplo. Temos que melhorar isso, divulgar melhor os fatos positivos em relação à vacina”, afirmou o assessor da Opas.

Agência Brasil