Covid-19 tira a vida de mais um médico no RN

Rio Grande do Norte já perdeu, vítimas da covid-19, 14 médicos e um estudante de medicina

Após lutar por quase dois meses, o Médico George Bezerra perdeu a vida para a covid-19 nesta quarta-feira (12). O cirugião plástico compunha a equipe médica do  hospital Santa Catarina, em Natal, que atende casos clínicos graves e cirúrgicos regulados de outras unidades de saúde e de outros municípios que não fossem casos de covid-19.

Parte do tempo de internação, o médico ficou em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), teve uma melhora, porém voltou a ser entubado novamente, indo a óbito na manhã de hoje (12).

segundo o levantamento do Sindicato dos Médicos do RN, o estado potiguar já perdeu 15 médicos e um estudante de medicina desde o início da pandemia. Na sexta-feira (6), o RN perdeu o médico Raimundo Clodovil de 52 anos em Mossoró. Rio Grande do Norte já perdeu, vítimas da covid-19, 14 médicos e um estudante de medicina. Veja o levantamento do SinMed/RN:

1.    Maria Altamira de Oliveira, no dia 05 de abril em Natal 
2.    Élio Cesar Marson, 52 anos, no dia 16 de abril em Mossoró
3.    Jayme de Oliveira Junior, 52 anos, no dia 19 de abril em Natal
4.    Solon Pereira Lopes Ferreira, 61 anos, no dia 06 de maio em Natal
5.    João Batista Medeiros Costa, 65 anos, no dia 24 de maio em Natal
6.    Valéria Calife da Silva, no dia 25 de maio em Natal
7.    Adelmaro Cavalcanti Cunha Júnior, no dia 18 de junho em Natal
8.    Samir Assi João, no dia 28 de junho em Natal
9.    Nivaldo Sereno de Noronha Júnior, no dia 01 de julho em Natal
10.    Paulo Matos de Castro, no dia 01 de julho em Natal
11.    Renê Anísio Rodrigues, 40 anos,  no dia 02 de junho em Natal
12.    Débora Cristina Araújo Fernandes, no dia 06 de julho em Natal
13.    Eduardo Campero Garcia, no dia 20 de julho em Natal
14.    Raimundo Clodovil Cavalcante da Silva, no dia 06 de agosto em Mossoró
15.    George Bezerra, 12 de agosto em Natal16.(ESTUDANTE DE MEDICINA) Vital Avelino Maia Neto, no dia 21 de junho em Mossoró



Midia SL

Anvisa autoriza mudanças em teste da vacina de Oxford

A produção ficará a cargo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), órgão vinculado ao Ministério da Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou mudanças no protocolo do teste com a chamada “vacina de Oxford”, objeto de um dos ensaios clínicos em curso no Brasil e apontada por pesquisadores e pelo governo federal como uma das alternativas mais promissoras de prevenção da covid-19.

A alteração é a aplicação de uma dose de reforço, totalizando duas doses em vez de uma, como originalmente havia sido proposto. Essa parcela adicional de vacina será ministrada tanto para os que já haviam recebido a substância quanto para os voluntários que ainda receberão a vacina. No primeiro caso, o intervalo entre uma e outra será de quatro semanas.

A medida foi tomada a pedido dos responsáveis pela pesquisa. A mudança se deve ao fato de alguns estudos indicarem que a aplicação de duas doses pode produzir resultados mais efetivos na imunização.

Outra atualização foi a ampliação da faixa etária do grupo participante da pesquisa. Originalmente eram admitidas pessoas de 18 a 55 anos. A idade limite foi estendida para até 69 anos, incluindo uma faixas de idosos, o segmento que mais morre em função da covid-19.

A “vacina de Oxford” passou a ser conhecida popularmente por este apelido por se tratar de uma pesquisa capitaneada pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com o laboratório Astrazeneca.

O governo brasileiro celebrou um acordo com os agentes responsáveis para que o Brasil tenha preferência na aquisição de insumos e da transferência de tecnologia. O acerto inclui a pré-compra de insumos para 30 milhões de doses em dezembro e o repasse de tecnologia para a fabricação no país de mais 70 milhões de doses ao longo do ano de 2021.

A produção ficará a cargo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), órgão vinculado ao Ministério da Saúde. Na semana passada, o governo federal editou Medida Provisória alocando R$ 1,99 bilhão em recursos para o custeio da aquisição dos insumos e transferência de tecnologia da vacina.



Publicidade Ismael 02

Máscara pode reduzir gravidade de infecção por Covid-19, diz especialista

Os pesquisadores estudaram a dependência da dose com outras infecções virais, como a gripe

As máscaras se provaram uma das principais ferramentas de proteção contra o novo coronavírus, podendo reduzir o risco de infecção em até 25%, de acordo com um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Segundo Monica Gandhi, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Califórnia em São Francisco, é provável que as máscaras, ao bloquear algumas das gotículas portadoras de vírus, reduzem o risco de adoecer gravemente.

Gandhi e seus colegas usaram informações epidemiológicas de vários países para escrever um artigo, publicado no Journal of General Internal Medicine, no qual eles propõem que as máscaras podem levar a infecções mais leves ou assintomáticas, reduzindo a dose do vírus que as pessoas inalam.

Na última onda de infecções nos EUA, o uso amplo de máscaras pode ser um fator para as taxas de mortalidade mais baixas – junto com mais testes, pacientes mais jovens e melhores tratamentos – aponta a especialista. Uma proporção maior desses novos casos foi leve ou assintomática, embora mais dados sejam necessários para se verificar se eles são rastreados geograficamente com taxas mais altas de uso de máscara.

Em todo o mundo, os padrões epidemiológicos parecem fornecer uma pista. Em países onde o uso de máscaras já era comum, como Japão, Taiwan, Tailândia, Coreia do Sul e Cingapura, e em países onde o uso de máscaras foi rapidamente adotado, como a República Tcheca, as taxas de mortalidade e gravidade da Covid-19 permaneceram comparativamente baixas.

A ideia de que a dose viral determina o grau da doença não é nova. As descrições de uma curva relacionando dose-mortalidade – quanto de um vírus é necessário para causar a morte de um animal – foram publicadas pela primeira vez em 1938. E, afinal, as primeiras vacinas, que foram documentadas na China do século 16, envolviam expor alguém a um pequeno quantidade de vírus da varíola para induzir doença leve e imunidade subsequente.

Os pesquisadores estudaram a dependência da dose com outras infecções virais, como a gripe. Em um estudo com voluntários saudáveis, aqueles que receberam uma dose mais elevada do vírus influenza A desenvolveram sintomas mais graves.

Como o novo coronavírus, o SARS-CoV-2, é potencialmente letal, os experimentos sobre a relação do uso de máscaras e gravidade da doença foram necessariamente limitados aos animais. Em um teste de laboratório, o uso de máscara cirúrgica entre as gaiolas de hamsters infectados e não infectados cortou significativamente a transmissão de Covid-19. Menos hamsters contraíram o vírus e aqueles que foram infectados apresentaram sintomas mais leves.



Prefeitura Currais Novos Publicidade

Municípios do Seridó irão adotar medidas para endurecer isolamento

O sinal de alerta com relação aos municípios da região Seridó foi ligado após o avanço da taxa de transmissibilidade

Os municípios da região Seridó Potiguar vão adotar medidas para endurecer as regras de distanciamento social para diminuir a aceleração nos contágios pela Covid-19.

A região está dentro da chamada “zona de perigo”, segundo análise da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap). Isso significa que a taxa de transmissibilidade está entre 1,03 e 2, ou seja, uma pessoa infectada com o novo coronavírus é capaz de infectar um ou dois indivíduos.

A preocupação com a região Seridó advém de informações relacionadas com a ocupação hospitalar de pacientes com a Covid-19. Atualmente, os hospitais seridoenses têm ocupação de 70%, segundo o Sistema RegulaRN – plataforma criada para monitorar a distribuição de leitos Covid-19 no Estado –, contra os 53% da Região Metropolitana de Natal. A média estadual de ocupação é de 57,66% nos últimos três dias.

Do total de 30 vagas hospitalares críticas (UTI e Semi-UTI) na região do Seridó, ainda de acordo com a plataforma RegulaRN, havia 21 pessoas internadas até esta sexta-feira (7). Ainda de acordo com a Sesap, em todo o Estado, a rede pública hospitalar registra 418 pessoas internadas, sendo 199 em leitos críticos e 219 em leitos clínicos.

O sinal de alerta com relação aos municípios da região Seridó foi ligado após o avanço da taxa de transmissibilidade. A média registrada é de 1,32, segundo o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais), que é vinculado à Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O número implica que 100 pessoas infectadas com o novo coronavírus podem transmitir a Covid-19 para outros 132 indivíduos.

Atualmente, o município de Timbaúba dos Batistas, com apenas 2,4 mil habitantes, tem a maior taxa de transmissão do Seridó, com índice de 6,61. Das 25 cidades da região, sete delas têm taxa acima de 2.



ÓTICA -BANNER PUBLICIDADE

Em 24 horas, o RN teve duas mortes por covid-19 e reduz a ocupação dos leitos críticos para 41,62%

Dentre todos os que já fizeram o teste 89.673 tiveram o resultado descartado

Duas pessoas faleceram nas últimas 24 horas no Rio Grande do Norte em decorrência da Covid-19. E, com a confirmação da causa de outros três óbitos em investigação, o número chega a 1.970, no entanto, outros 193 continuam com a decorrência em análise. Os dados foram emitidos pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) na tarde deste sábado (8).

O órgão informou também o registro de 433 novos casos de infectados com o coronavírus no estado, elevando o acumulado a 55.150. Outras 18.247 pessoas aguardam o resultado dos exames que podem atestar positivo ou negativo para a doença. Dentre todos os que já fizeram o teste, 89.673 tiveram o resultado descartado.

A taxa de ocupação dos leitos críticos ficou abaixo dos 50%, neste sábado, foi constatado um percentual de 41,62%, o mais baixo nas últimas semanas. Dos 334 leitos críticos (UTIs e semi-intensivos) direcionados ao tratamento de pacientes com covid-19, 139 estão sendo utilizados no momento. Há portanto a disponibidade de 172 deles (51,50%), outros 23 estaão bloqueados (6,89%). Os dados são do Regula RN, sistema integrado de saúde que organiza a disposição dos leitos.

O percentual de ocupação dos leitos clínicos é um pouco maior, 54,40%, o que corresponde ao total de 167 dos 307 destinados aos pacientes com covid-19 que precisam da internação, porém sem a necessidade de unidade de terapia intensiva (UTI). A rede hospitalar conta também com a disponibilidade de 130 leitos da mesma natureza, um percentual de 42,35%. Outros 10 estão bloqueados (3,26%).



ÓTICA -BANNER PUBLICIDADE

RN reduz para 53% ocupação de UTIs para tratamento da covid-19

No momento da coletiva, segundo Lucchesi, havia três pacientes na fila de espera por UTI, embora a vaga de destino já tivesse sido disponibilizada

O Rio Grande do Norte conseguiu manter a redução na ocupação de leitos críticos para tratamento de pacientes diagnosticados com a covid-19. Nesta quinta-feira (6), a taxa de ocupação está em 53%.

De acordo com Alessandra Lucchesi, subcoordenadora de Vigilância em Saúde, essa é a uma das menores taxas apresentadas até o momento. As informações foram divulgadas durante coletiva de imprensa para atualização dos dados. 

Há ainda um total de 403 pacientes internados para tratamento do novo coronavírus, sendo que 198 estão em leitos críticos e 205 em leitos clínicos. Esse quantitativo leva em consideração os serviços de saúde públicos e privados do estado potiguar. Especificando por regiões, a ocupação se apresenta da seguinte forma: Mossoró (71%), Pau dos Ferros (45%), João Câmara e São José de Mipibu (20%, cada), Seridó (70%) e Metropolitana (47,8%). 

No momento da coletiva, segundo Lucchesi, havia três pacientes na fila de espera por UTI, embora a vaga de destino já tivesse sido disponibilizada; além disso, outros três aguardavam por leitos clínicos e 12 esperaram o transporte sanitário. 

Dados epidemiológicos

Nas últimas 24 horas, o RN registrou três mortes provocadas pela covid-19. Essas ocorrências, somadas aos demais óbitos confirmados, elevou para 1.954 o número de pessoas que perderam a vida em decorrência da doença. Há ainda outros 193 óbitos em investigação para constatar se a causa tem relação ou não com o novo coronavírus. Até o momento, 402 já foram descartadas. 

Sobre as confirmações, o estado potiguar contabiliza um acumulado de 54.106 pessoas infectadas desde o início da pandemia. Quanto aos casos suspeitos, conforme explicou Alessandra Lucchesi, uma queda brusca pôde ser observada nos últimos dias, passando de 63.521 para 17.276 em apenas um dia. O motivo da oscilação foi a otimização da forma de encerramentos de casos, transferindo esses números para os chamados casos inconclusivos, que hoje somam 50.841. “Isso nos ajuda a uma melhor percepção do cenário, porque ficamos realmente com casos suspeitos, ou seja, os casos ativos de pessoas que estejam em um possível período de transmissão, possível período de sintomatologia”, explicou a subcoordenadora”, explicou.  

Lucchesi detalhou como foi realizado esse processo de otimização: “Dado o cenário inicial da pandemia, onde tínhamos grupos específicos para a realização da testagem, muitos pacientes não puderam se submeter ao teste diagnóstico e ficaram sem a devida forma de encerramento – ou como confirmado ou como descartado. Diante das investigações, se não foi possível fazer o encerramento do caso de acordo com o vínculo clínico, nós procedemos com uma outra forma de encerramento, que seria de uma síndrome gripal não especificada ou, como nós chamamos, casos inconclusivos. Então todos os pacientes que, nos últimos 30 dias, não apresentaram resultado de exame, esses casos de síndrome gripal foram encerrados como casos inconclusivos”, ressaltou. 

Já com relação aos casos descartados, ou seja, que os pacientes apresentaram resultado negativo para covid-19, o RN contabiliza 86.720 casos desde o início da pandemia. 



GORVERNO 01 – POST

RN: Deputados aprovam projeto que dá mais transparência a contratos emergenciais

Vivaldo Costa (PSD) pediu subscrição à solicitação de Hermano Morais (PSB) com relação às benfeitorias para o Hospital dos Pescadores, localizado no bairro das Rocas, em Natal

Durante a sessão ordinária desta terça-feira (4), realizada de forma remota, no horário destinados aos deputados, foram discutidos assuntos relacionados ao Governo do Estado, apoio aos templos religiosos, bem como suporte às áreas da Saúde e do Serviço Público. 

 José Dias (PSDB) falou a respeito da discussão sobre a dispensa dos dízimos religiosos em virtude da pandemia. O deputado ressaltou a relevância das igrejas para a sociedade. Concluindo, o parlamentar afirmou que o dízimo não é uma lei de Deus, e sim, uma manifestação social e espiritual, uma solidariedade ao grupo a que se pertence.

Dando continuidade ao horário de deputados, Vivaldo Costa (PSD) pediu subscrição à solicitação de Hermano Morais (PSB) com relação às benfeitorias para o Hospital dos Pescadores, localizado no bairro das Rocas, em Natal.

Na ocasião, Vivaldo apresentou dados estatísticos sobre a pandemia do novo coronavírus no Estado.  “No Rio Grande do Norte, até agora, tivemos 51.707 pessoas infectadas. Dessas, 1.885 morreram, um índice de 3,6%. Em Natal, foram registrados 19.954 casos. Desse total, 761 foram a óbito (3,8%). Em São Gonçalo do Amarante, 5% das pessoas que contraíram a doença morreram. Em Pau dos Ferros, a mesma coisa. E em Caicó, diferentemente da maioria dos municípios, o índice de mortalidade é de apenas 0,87%. Dos 1.607 que adoeceram, 14 morreram. Por último, em Serra Negra do Norte, vizinho a Caicó, foram 149 casos, tendo morrido 9 pessoas”, detalhou.

Segundo o parlamentar, em Serra Negra do Norte as pessoas tomam a ivermectina preventivamente, mas a mortalidade não diminuiu. Em Natal, algumas pessoas também fazem uso do medicamento, mas o índice de mortalidade é mais alto que o estadual. Em contrapartida, em Caicó, ele nunca ouviu falar que se toma a ivermectina.

O deputado Coronel Azevedo (PSC) deu início à sua fala lamentando a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que interrompeu a eficácia da lei de sua autoria que autoriza a suspensão dos empréstimos consignados de servidores públicos do Estado.

O parlamentar lembrou ainda que muitos servidores estão com salários atrasados e, especialmente os da Saúde e Segurança precisaram comprar equipamentos de proteção com seus próprios recursos, a fim de combater a pandemia na linha de frente. “Por tudo isso seria extremamente necessário o reconhecimento e apoio do governo estadual a esses servidores que tanto se dedicam à nossa população”, frisou. 

Coronel Azevedo parabenizou o sindicato dos servidores públicos do Estado (SINSP/RN), que lutou pela sanção da lei e pediu ao governo que interagisse com os bancos, para evitar que a ação judicial acontecesse. Último inscrito no horário dos deputados, Sandro Pimentel (PSOL) externou sua preocupação com a retirada da alimentação dos vigilantes que trabalham em regime de plantão nos hospitais do Estado.



Publicidade Ismael 02

Brasil tem 2,7 milhões de casos e 93,6 mil mortes por covid-19

A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) está em 3,5%; e a de mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) em 44,5

O Brasil registrou, desde o início da pandemia, 2,70 milhões de pessoas infectadas pela covid-19. Os dados atualizados são do balanço divulgado neste sábado (1º) pelo Ministério das Saúde. O número é 45,4 mil maior do que o divulgado no levantamento do dia anterior. 

Ainda de acordo com a pasta, o número atualizado de recuperados está em 1,86 milhão. Há ainda 748,59 mil pacientes sendo acompanhados. O novo coronavírus causou a morte de 93,57 mil pessoas no país desde o início da pandemia. Segundo o balanço, nas últimas 24 horas, foram registradas mais 1.088 mortes. A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) está em 3,5%; e a de mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) em 44,5.

Estados
São Paulo continua sendo a unidade federativa com maior número de mortes por covid-19, com 23.236 óbitos. Em segundo lugar está o Rio de Janeiro, que registra 13.556 mortes. Em terceiro lugar está o Ceará (7.698), seguido por Pernambuco (6.597) e pelo Pará (5.750).

São Paulo lidera também no total de casos diagnosticados, com 552.318 pessoas testando positivo para a doença. Em segundo lugar está o Ceará, com 175.928 diagnósticos positivos; Bahia (168.926) e Rio de Janeiro (167.213).Ministério da SaúdeBrasilCoronavírusPandemiaMortes por CoronavírusCovid-19



ÓTICA -BANNER PUBLICIDADE

Covid-19 pode afetar coração de pacientes recuperados; entenda

Quem já tem problema crônico no coração deve continuar com o tratamento regularmente durante a pandemia, alerta a médica

Pesquisas indicam a possibilidade de complicações crônicas em pacientes recuperados da Covid-19 e, segundo a cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, o coração também pode ser afetado pela doença provocada pelo novo coronavírus.

“Já existem alguns estudos iniciais que mostram que mesmo 60 dias após o término dos sinais de sintomas, ou seja, o paciente já está em casa sem febre, não tem falta de ar nem tosse, mas quando avaliados mais detalhadamente na parte cardíaca percebe-se que quase 80% ainda tem algum grau de inflamação no coração”, diz a especialista à CNN.

Para Ludhmila, pessoas recuperadas da Covid-19 devem seguir com o acompanhamento médico para observar possíveis sequelas futuras. “Estamos compreendendo a doença como grave, mas que tem complicações crônicas, como as cardioasculares que ainda estamos aprendendo a lidar. Isso nos ensina que esse paciente tem que ser acompanhado de perto quanto a essas complicações”, avalia.

Quem já tem problema crônico no coração deve continuar com o tratamento regularmente durante a pandemia, alerta a médica. 

“Se tem problema de coração, é importante fazer seu segmento de maneira adequada durante a pandemia. A medicação tem que ser tomada regularmente. Em casa, devemos ter uma alimentação regrada e equilibriada, evitar os excessos porque sedentarismo aumentou muito durante a pandemia, já que as pessoas não saem de casa”, disse Ludhmila  ressaltando que a recomendação para uma dieta saudável vale para todas as pessoas, não só os cardiopatas



GORVERNO 01 – POST

Novo boletim do Hospital Regional do Seridó destaca mais dois óbitos por Covid-19

Esse boletim é referente a pacientes internados nas últimas 24 horas no Hospital Regional do Seridó

Boletim Covid-19
Hospital Regional Telecila Freitas Fontes
30/07/20

Esse boletim é referente a pacientes internados nas últimas 24 horas no Hospital Regional do Seridó.
▪️
Óbito por COVID-19 no HRS em 30/07/20
📍São João do Sabugi – 01
📍Lagoa Nova – 01
▪️
Informações referentes ao boletim regional são divulgados pela IV URSAP
@iv_ursap
▪️
Confira na íntegra o boletim diário estadual no site: http://www.saude.rn.gov.br ou @governodorn
▪️
Se puder #fiqueemcasa
Se sair #usemáscara
▪️
Instagram: @hrserido
Fone: 84 3421-9620
Ouvidoria: 84 98184-2042
3232- 5385/ 3232-3536
(SESAP) – 136
[email protected]
Assessoria de Mídias & Comunicação HRS



Publicidade Ismael 02